Como Aprender a Ler Partitura e Por Qual Motivo

Neste post, responderemos algumas questões sobre partitura: O que é partitura? É difícil aprender a ler partitura? Quem deve aprender a ler partitura? Quais instrumentos usam a partitura? Quais as opções para quem não quer aprender a ler partitura? Quais as vantagens de aprender a ler partitura? É obrigatório que o músico saiba ler partitura? E falaremos um pouco sobre a história da escrita musical e suas vertentes ao redor do mundo.

O que é partitura?

A partitura é uma forma de escrever a música. Dentre as formas existentes, a partitura é a mais completa e mais difundida. Da mesma maneira que a linguagem falada possui a linguagem escrita, a música possui a partitura. E, também da mesma maneira que a linguagem escrita possui regras (ortografia, conjugação, tempos verbais, etc), a partitura também possui suas regras.

Imagine que você é um compositor e acaba de criar uma bela melodia. Assim como um poeta precisa da linguagem escrita para registrar suas ideias, o compositor precisa da partitura para registrar suas melodias. Portanto, a grande utilidade da partitura é registrar a música para que outros músicos possam tocá-la.

É verdade que atualmente um compositor pode criar uma música em seu instrumento e gravá-la com um gravador de som. Também é verdade que um intérprete pode ouvir essa música e tirá-la de ouvido. Mas nesse caso, estaríamos dependentes de terceiros e estaríamos trabalhando de forma amadora, além de criarmos uma grande dificuldade pelo fato de que o intérprete teria que memorizar toda a melodia! Ao saber ler partitura, o intérprete não precisa decorar nenhuma uma única nota, basta pegar a partitura e começar a ler com o seu instrumento. No máximo, ele precisará treinar o que foi escrito, mas de forma totalmente independente.

Partitura da música Parabéns pra Você

É difícil aprender a ler partitura?

Aprender a ler partituras é relativamente simples. Quanto mais simples a música, mais simples será a partitura. Contudo, uma mesma música pode ser escrita de várias formas, dependendo do arranjo criado pelo compositor/arranjador. Portanto, mesmo uma música simples como “Parabéns pra Você” pode vir a ter uma partitura mais elaborada (com mais vozes, etc) e ser, por consequência, mais difícil de ser lida e executada no instrumento.

No vídeo a seguir, a pianista Nahre Sol faz uma demonstração com 16 níveis de complexidade – do mais simples ao mais elaborado – de se tocar a música “Parabéns pra Você”. O vídeo está em inglês, mas mesmo sem falar esse idioma é possível entender a ideia:

O aprendizado básico da partitura consiste em aprender os seguintes elementos: pauta; clave; armadura de clave; notas na pauta; tempos das notas; tempos das pausas; sinais de repetição; tipos de compassos; ponto de aumento; ligadura; linhas suplementares; sustenido; bemol e bequadro.

É claro que existem diversos outros símbolos, mas o aluno conhecendo esses já estará apto a tocar uma grande quantidade de músicas! Portanto, em questão de poucas semanas (ou dias!), qualquer pessoa pode aprender todo o básico da leitura de partituras.

Para uma breve introdução aos elementos básicos de uma partitura, leia o artigo Notação Musical da Wikipedia. Para um aprendizado completo de cada elemento existente em uma partitura, cadastre-em em nosso sistema Polifono.com e faça o nosso curso completo.

Quem deve aprender a ler partitura?

Se o seu objetivo é aprender a tocar algumas músicas no violão para tocar com os amigos no churrasco de fim de semana, é bem provável que a leitura da partitura não vá lhe ajudar muito (que fique claro que também não vai atrapalhar!).

Se o seu objetivo é entender melhor como a música funciona, aprendendo sobre a formação dos acordes, sobre as escalas, campo harmônico e demais conhecimentos da teoria musical, o aprendizado da leitura de partituras é altamente recomendado.

Se o seu objetivo é ser um músico profissional e tocar em orquestras, saber ler partituras é obrigatório.

Como explicamos, o aprendizado da leitura de partituras é relativamente simples, portanto se você realmente tem interesse na música não deixe de desenvolver essa habilidade, pois com certeza ela te ajudará em seu progresso no mundo da música.

Quais instrumentos usam a partitura?

Praticamente todos os instrumentos usam a mesma partitura: flauta doce, violão, piano, saxofone, etc. Quando dizemos mesma, referimo-nos às mesmas regras de escrita de uma partitura. Ou seja, ao aprender a ler partituras de flauta doce, estamos ao mesmo tempo aprendendo a ler partituras de violão, piano, etc, pois as regras de tempos das notas, tempos das pausas, etc, são as mesmas em todos os instrumentos! Essa é uma grande vantagem da partitura em relação a outras formas de escrita da música.

Contudo, o que ocorre é que conforme o aluno estudar teoria musical, verá que a tessitura dos instrumentos (o conjunto de notas da mais grave a mais aguda que um instrumento consegue emitir) não é a mesma em todos. Por exemplo, um trompete consegue emitir determinadas notas que um trombone não consegue.

Por essa razão, existem as claves para que seja possível escrever todos os sons na pauta. Assim, para uma mesma música, pode ocorrer de existir uma versão adaptada para um instrumento e outra versão para outro instrumento, embora as regras da escrita da partitura serão as mesmas, apenas mudando quais notas serão tocadas conforme o instrumento.

Os instrumentos de percussão (a bateria, etc) são um caso à parte e possuem um outro tipo de escrita musical – a notação de percussão, pelo fato de que não emitem notas como os instrumentos melódicos e harmônicos.

Quais as opções para quem não quer aprender a ler partitura?

Existem outras formas de escrita da música. Nenhuma delas é tão precisa e detalhada quanto a partitura e, na maioria das vezes, são específicas para determinados instrumentos. Algumas dessas alternativas são: tablatura, cifras, imagem da flauta doce, indicação de sopro da harmônica, entre outros.

Para alguns instrumentos de corda (violão, cavaquinho, etc), existe a tablatura. A tablatura é uma forma bem simplificada de registrar a música. Geralmente, é utilizada nas músicas populares para representar os solos e dedilhados. Dificilmente, algum compositor irá utilizar a tablatura para escrever uma música completa. Uma grande desvantagem da tablatura é que o tempo das notas e das pausas não é representado. Assim, o intérprete precisa conhecer a música para poder tocá-la! Podemos resumir dizendo que a tablatura é uma forma rápida de registrar pequenas partes de uma música a qual já conhecemos para futuramente apenas relembrarmos como é a melodia registrada. Na tablatura, as linhas representam as cordas do instrumento e os números representam a casa que deve ser pressionada.

Tablatura de violão para a música Parabéns pra Você:

e|------------------------------|
B|----------1-0-----------3-1-1-|
G|-0-0-2-0-------0-0-2-0--------|
D|------------------------------|
A|------------------------------|
E|------------------------------|

e|-0-0-3-0---------1-1-0----------|
B|----------1-0----------1--3-1-1-|
G|--------------2-----------------|
D|--------------------------------|
A|--------------------------------|
E|--------------------------------|

Para alguns instrumentos de sopro (flauta doce, harmônica e mais alguns), existem formas visuais de representar o dedilhado para cada nota. No caso da flauta doce, a imagem representa uma flauta e mostra quais orifícios devem ser fechados para emitir a nota desejada.

Representação imagética de flauta doce para a música Parabéns pra Você:

No caso da harmônica, é indicado com um número qual o orifício que deve ser usado. Se o número vier sozinho, indica que devemos soprar. Se vier com um sinal negativo, indica que devemos aspirar.

A música Parabéns pra Você na harmônica fica da seguinte forma:

6 6 -6 6  7 -7   6 6 -6 6  -8 7 7
6 6  9 8 7 -7 -6   -9 -9 8  7  -8  7  7

Muito popular em diversos instrumentos, temos uma representação dos acordes chamada de cifras. No caso das cifras, ela é utilizada somente para tocarmos a harmonia da música e não a melodia. Portanto, é usada para fazer o acompanhamento musical. Nas cifras, representamos os acordes com as seguintes letras de A a G: Dó = C; Ré = D; Mi = E; Fá = F; Sol = G; Lá = A; Si = B. Para representar os acordes menores, utilizamos um “m” ao lado da letra. Por exemplo, Dó menor = Cm.

A música Parabéns pra Você em cifras fica da seguinte forma:

    G          D
Parabéns pra você 
              G 
Nesta data querida 
             C
Muitas felicidades 
       D        G 
Muitos anos de vida

Existem outras formas de escrita musical para outros instrumentos. Nessa listagem, nós mostramos apenas algumas para que fique claro que a partitura não é a única forma de escrita musical.

Quais as vantagens de aprender a ler partitura?

Para alguns músicos, aprender a ler partitura é uma vantagem, para outros é uma obrigação. Um profissional da área da música (criador de jingles, músico de orquestra, músico de estúdio, etc) vai utilizar constantemente a escrita e leitura de partituras.

Para músicos amadores, a partitura nos dá a possibilidade de tocar uma música complexa sem a necessidade de conhecer a música. Apenas lendo a partitura, sem nunca ter ouvido a música, o intérprete pode conseguir executar a melodia sem maiores dificuldades.

Diferentemente dos outros tipos de escrita musical citados (tablatura, etc), a partitura possui recursos para indicar com exatidão qual a velocidade da música, quanto tempo cada nota deve soar, qual será o tempo de silêncio entre cada nota, com qual intensidade o músico deve tocar determinado trecho, etc. A partitura é, resumidamente, a forma mais completa de escrita musical ocidental.

É obrigatório que o músico saiba ler partitura?

Não. Existem grandes músicos populares que nunca aprenderam a ler partitura, como B.B King e Jimmy Hendrix. Contudo, esses são casos de músicos que trabalhavam ou sozinhos ou com pequenas bandas de músicos. Dessa forma, acabava não sendo necessário escrever a música para repassar aos demais membros da banda, pois todos ensaiavam juntos. Um cenário completamente diferente é a vida de um músico de orquestra, o qual receberá uma partitura para estudar em casa e no momento do ensaio ele deve estar pronto para tocar com os demais membros da orquestra. Como o aprendizado de leitura de partitura é relativamente simples, não há desculpas para que um amante da música não desenvolva essa habilidade.

História da escrita musical e suas vertentes ao redor do mundo

A partitura da forma como a conhecemos no ocidente (Europa e Américas) foi criada por um monge italiano chamado Guido D’Arezzo (992 – 1050). Mas muito antes desse monge, outras culturas já tentavam criar formas de escrever a música. Desde as primeiras tentativas até hoje, a escrita musical evoluiu (e continua evoluindo!) muito. Os gregos dos anos 500 antes de Cristo foram os primeiros a criar uma forma de escrita musical. Nos anos 300 antes de Cristo, os chineses também já possuíam sua própria forma de escrever a música. E assim, outros povos desenvolveram outras técnicas para escrever a música, como o povo indiano, japonês, turco, povos nórdicos, etc, enfim várias sociedades mais antigas criaram suas próprias maneiras de escrever a música.

A imagem a seguir é o registro de uma escrita musical mais antigo que conhecemos. É um papiro grego com cerca de 2500 anos:

Muitas dessas formas de escrita não sobreviveram ao tempo e outras evoluíram e ainda são usadas em alguns países. No Japão, existe um instrumento chamado Koto, o qual possui uma espécie de partitura numérica (clique aqui para ler mais). Na Suécia, uma notação numérica chamada Siffernotskrift foi popular no século XVIII. Na Índia, a própria ideia de música é concebida de forma diferente do ocidente. Por exemplo, nós trabalhamos com o conceito de tom e semitom, sendo o semitom a menor distância entre dois sons. Na música indiana, o tom é dividido em 22 microtons!

Caso tenha interesse em saber um pouco mais sobre a histórica da escrita musical, recomendamos o texto “Dos primórdios da notação musical à modernidade” do autor Tom Martins.

A escrita musical e a própria música se desenvolveu de formas diferentes nas várias regiões do mundo. Assim, a partitura ocidental não é a única forma de se registrar a música, como foi mostrado. E, ainda, com a evolução da música (novos instrumentos, música eletrônica, etc), a partitura continua evoluindo e novos símbolos estão sendo criados.

Nesse artigo, definimos o que é partitura, qual a dificuldade de aprender a ler partituras, mostramos outras opções de escrita musical e até falamos um pouco sobre a história da escrita musical e seu contexto atual.

Para se cadastrar em nossa escola de música online, acesse www.polifono.com e veja as aulas gratuitas para entender como o curso funciona. Se tiver dúvidas, entre em contato pelo email polifono@polifono.com.

Para mais textos sobre música e ensino de música a distância, acesse nosso blog em https://blog.polifono.com/.

Deixe seu comentário no blog ou siga nossa página no Facebook (https://www.facebook.com/polifonooficial/). Envie sua dúvida que responderemos o mais breve possível.

Polifono.com: A vida sem música seria um engano!

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *